LeBron James, 61

LeBron James marcou 61 pontos noite passada contra o Bobcats em jogo realizado em Miami pela NBA.

É o recorde do atleta.

Kobe Bryant tem 81, Will Chamberlain tem 100. Michael Jordan tem 69.

LeBron está no auge da sua carreira. Maduro em quadra e com um time pronto para vencer mais um campeonato.

Jogo para pagar novamente o ingresso, pois o Miami venceu por 124 a 107 sem prorrogação.

Depois do que ocorreu ontem, acho que LeBron deu mais uns dois passos adiante na busca do título de MVP da temporada 2013/2014.

 

Anúncios

Leandrinho assina por 10 dias com o Suns

A notícia foi confirmada e Leandrinho será jogador do Phoenix Suns em um contrato de 10 dias. Sim, 10 dias.

Leandrinho já deixou a equipe do Pinheiros. Ele vinha jogando o NBB e fazendo boas atuações, com 50% de aproveitamento de 3 pontos e 46% de 2 pontos.

É um tudo ou nada para Leandrinho retomar sua carreira internacional. O jogador tem 31 anos e há muita desconfiança dos GMs das equipes da NBA com relação a lesão que ele teve na última temporada quando defendia o Boston Celtics.

Serão 5 jogos. E o time estará na fase road, ou seja, todos jogos fora de casa.

O contrato poderá se estender por mais 10 dias. Se ele mostrar serviço, o Suns ainda tem um slot que poderia fazer um contrato até o final da temporada para ele. Outra possibilidade seria outra equipe contratar os serviços do “Ligeirinho”, como é conhecido nos EUA.

Barbosa já foi o melhor sexto homem da liga norte-americana, atuando pelos Suns. Espero que ele agarre a chance e tenha boas atuações e tempo de quadra suficiente para retornar em definitivo para a NBA.

Falando nisso, posto um vídeo com os melhores momentos de Leandrinho na NBA.

 

Rodada da quinta da NBA

A rodada de ontem da NBA trouxe alguns resultados surpreendentes.

A começar pela derrota do Miami para o Golden State, jogo que ocorreu em Miami, pelo placar de 123 a 114.

Golden State, desde a temporada passada é uma equipe que vem em crescimento de produção e certamente dará trabalho nos playoffs.

Ainda mais com esses 123 pontos, a maior marca dos Warriors contra o Heat nesta temporada.

O nome do jogo foi o Stephen Curry, do Golden State, que fez 36 pontos e obteve 12 assistências.

Já pelo lado do time de Miami, o destaque foi LeBron James, com 26 pontos, 5 assistências e 5 rebotes.

Outras derrotas surpreendentes foram do OKC para o Brooklyn e do San Antonio para o New York. Nos dois casos, a imprensa norte americana especula que os times estão perdendo de propósito para ter uma ótima posição no draft de 2014, dito como um dos mais promissores dos últimos tempos.

Já o Portland continua bem no certame. Bateu o Charlotte por 134 a 104.

O time quase fechou a partida com 3 jogadores fazendo duplo-duplo. Maurice Williams obteve 15 pontos e 10 assistências, LaMarcus Aldridge conquistou 10 pontos e 15 rebotes e Meyers Leonard chegou a 8 pontos e 10 rebotes. O cestinha do jogo foi Wesley Matthews, com 25 tentos.

A NBA segue hoje com mais sete jogos. O destaque da rodada da sexta para nós brasileiros é o jogo entre Toronto e Washington, que terá Nenê em quadra. No site da NBA, o acompanhamento ou live pass a partir das 7 da noite, horário local.

 

Toronto Raptors lidera divisão bizonha na NBA

Estamos na casa dos 30 jogos da fase season da temporada 2013/2014 da NBA e olhando a tabela de classificação, encontrei uma bizarrice: Toronto Raptors liderando a subdivisão Atlantic com 14 vitórias e 15 derrotas.

Quem acompanha a NBA há pouco tempo, não tem o histórico que o Oeste é há muito tempo mais forte que o Leste.

Com mais forte quero dizer que os times desse lado dos EUA obtêm mais vitórias que os times do outro lado do país. E com este cenário, a classificação destes times para os playoffs é mais difícil e acirrada.

Voltando ao Toronto. Sua campanha o credencia como quarto colocado do Leste e primeiro na Atlantic. E sendo primeiro na Atlantic, com o regulamento da NBA atual, ele se credencia a ficar entre os 4 primeiros colocados da chave Leste dos Playoffs.

Logo, o Washington, time que joga o brasileiro Nenê, e que possui 14 vitórias e 14 derrotas, está atrás do Toronto pois não é o líder da sua divisão, a Southeast.

Toronto que atualmente está com uma sequência de 3 vitórias.

Alguém acredita no Raptors para os Playoffs do Leste?

 

 

Tática do Hack-a-Shaq

Falando de basquete, o @FRSormani abomina a tática suja e desleal do Hack-a-Shaq. Eu também abomino.

Para quem não sabe, o Hack-a-Shaq é uma tática de fazer faltas no jogador do time adversário que tem pior aproveitamento nos lances livres.

Essa tática ficou famosa sendo utilizada em cima do ex-jogador Shaquille O’Neal. Obviamente, O’Neal era horrível nos lançamentos dos lances livres. O’Neal era um jogador de mobilidade baixa, alto pra caramba, forte (leia-se pesado) e que seu jogo se baseava em enterradas.

Com esta abominável tática, muitos times já ganharam jogos, pois não deixam o oponente arremessar da quadra com jogadores de percentual alto de acerto, seja dentro do garrafão, seja detrás da linha dos 3 pontos.

Wilt Chamberlain foi responsável pela criação de duas regras no basquete. A primeira é o goaltending, que ocorre quando um jogador de defesa bloqueia a bola na descendente, normalmente com um tapa. A segunda regra foi o banimento do salto  no arremesso livre, já que Chamberlain pulava da linha e enterrava. Com estas duas regras, o jogo evoluiu.

Já na questão do Hack-a-Shaq, não leio sobre uma intenção de alteração nesta regra. Minha sugestão é denominar um atleta do time antes da partida começar para que ele seja o único arremessador de lances livres durante a partida. Isso faria com que menos faltas fossem produzidas no jogo. E com as faltas ocorrendo, sendo o melhor arremessador indo para o lance livre, o time faltoso acabaria tomando mais pontos, e os placares seriam mais dilatados. Ou então que fosse semelhante ao pênalti no futebol, com um jogador aleatório cobrando o pênalti. Obviamente, o técnico ia denominar ali no calor do jogo qual o jogador do seu time irá cobrar os lances livres e ele escolheria os de melhor qualidade.

Fab Melo monstro!

E começamos a ver as garras de Fab Melo, jogador do Boston Celtics, sendo colocadas para fora.

Melo se encontra hoje jogando pelo Maine Red Claws, filial do Boston na D-League, a liga de desenvolvimento da NBA.

A D-League é uma espécie de segunda divisão. Mas como na NBA não tem acesso ou descenso, o mais correto é mencionar a D-League como uma liga paralela.

Esta liga é composta de jogadores que tem potencial de desenvolvimento para atuarem nos times da NBA, mas que ainda estão muito verdes. Geralmente são ex-jogadores das faculdades americanas, que subiram para o profissional. Ou então, jogadores da NBA que estão voltando de lesão, jogam poucas partidas só para readquirir ritmo de jogo. Outro caso que pode ocorrer é de jogadores estrangeiros, também com potencial, e que estão querendo mostrar serviço para tentar um contrato em um time da NBA.

E é nessa liga que Fab Melo começa a mostrar seu jogo. Dia 22, contra o Erie BayHawks, Melo conseguiu um Triple Double! Meteu 15 pontos, 16 rebotes e incríveis 14 tocos! Já no dia 26, contra o Idaho Stampede, foram 32 pontos, 9 rebotes e 9 tocos. Quase outro Triple Double.

Vamos seguir acompanhando o Fab Melo na D-League e torcendo que em 2013 ele faça algumas partidas no Boston.