Repercussão do jogo do Corinthians

Torcida do Corinthians

O jogo de ontem do Corinthians pela Taça Libertadores da América, acabou com a morte de um torcedor do time adversário.

A repercussão do caso atingiu os principais canais de TV, jornais, rádios e sites da internet.

O Corinthians poderá até ser eliminado pelo caso.

No que averiguei na internet principalmente, os blogueiros e a imprensa não abordaram três aspectos referentes ao ocorrido.

Continuar lendo

Época sem futebol nacional

Essa fase do ano sem campeonatos de futebol no Brasil é muito enfadonha. Estamos acostumados a toda quarta e domingo com jogos competitivos. Aquela adrenalina da disputa, o assunto da segunda e da quinta com seus amigos é comentar do jogo do dia anterior, e ouvir asneiras dos antis.

Porém, neste momento, aguardamos o início da Taça São Paulo de Futebol Junior, o que já minimiza um pouco a falta do futebol.

Categoria adulto? Agora só em 2013 com o retorno dos chatos campeonatos regionais. Enfim, é o que teremos até Abril, quando começa o Brasileirão. Ou até o início da Libertadores, para aqueles que torcem por times que estão lá ano que vem.

Por enquanto, só jogo festivo do Zico no Morumbi.

E a mulherada, com o fim da temporada 2012, agradece.

Post #34 – Os argentinos nunca assumem suas derrotas

http://www.ole.clarin.com/notas/2008/06/05/copalibertadores/01687498.html

Chega a ser ridídula a postura do diário Olé argentino, mesmo todos nós brasileiro sabendo que o diário fala de um jeito muito apaixonado com seu torcedor.

Uma postura que beira o anti-profissionalismo, trazendo para seus leitores, textos que não exprimem a verdade do que ocorreu em camo, e tornam ainda mais patéticas as frases, ditas sagradas, pelos jornalistas brasileiros em supervalorizar o Boca Juniors, chamando-os de qualquer superlativo, como Poderoso Boca Juniors. Poderoso já poderia ser marca registrada do Corinthians, que inventou o Todo Poderoso Timão e toda hora falam desta maneira para o Boca.

Que na minha opinião era um Boca Meia-Boca jogando essa Libertadores da América, muito inferior a outros times boquenses que já vi jogar o torneio.

Mas o pior de tudo é o inconformismo que o diário Olé prega em sua matéria no link acima. Acham que o resultado de 3-1 foi irreal, não refletiu a partida. 3-1 sempre é um resultado que mostra superioridade absoluta de um time. Ainda mais da forma com que os gols foram feitos, e seus momentos na partida. É claro que eu excluo o segundo gol, pois foi um gol de um lance de sorte, mas até aí, com 2-1 no placar, o Boca tinha que tentar algo a mais fora de seus domínios, onde justamente no mata-mata deste ano jogou suas melhores partidas. E o empate levaria a decisão para os pênaltis, temíveis por qualquer jogador de futebol.

O que tem de mais legal no diário Olé, ao menos hoje, são as charges dos torcedores do River, que como bons torcedores do time rival, secaram a pimenteira e goraram o máximo que puderam o time do Boca. E deu certo.

Mas o diário Olé poderia ser um pouco menos apaixonado com as matérias que escreve, ser um pouco mais jornalístico e narrar os fatos, com olhos argentinos, claro, mas com olhos de jornalistas com credibilidade e não com olhos de torcedores que publicam matérias neste jornal.

Post #20 – Jogão na TV – Boca x Cruzeiro

Um grande jogo já pelas oitavas-de-final da Taça Libertadores da América entre Boca Juniors, da Argentina e o Cruzeiro, de Belo Horizonte será transmitido ao vivo pelo canal SporTV no final da tarde.

Com certeza um teste de fogo para os dois times, já que a imprensa sinaliza que o vencedor desta chave irá longe no torneio.

O Cruzeiro vem de goleada na final do Campeonato Mineiro por 5 a 0.

O Boca vem de derrota para o San Lorenzo, fora de casa, por 1 a 0.

O Boca não é mais aquele e está em quarto no Campeonato Argentino.

Se o Cruzeiro jogar pra vencer, ele passa. Se pensar no empate, será eliminado.

Relembrando uma recente Copa Libertadores, onde o Paysandu ganhou do Boca lá na Argentina por 1-0, mas depois perdeu em casa e foi eliminado. Melhor jogar pra ganhar mesmo.