QI de Futebol

Play Calling on Soccer Field Diagram

Assisto vários jogos de futebol, não somente os jogos do time que eu torço.

E vejo que os jogadores que estão jogando no futebol brasileiro tem um QI de futebol bem limitado em sua maioria.

QI de futebol ao meu ver tem uma relação direta com o meio campista cerebral, que pensa o jogo. No entanto, qualquer jogador de futebol tem QI de futebol. E isso pode ser desenvolvido.

Continuar lendo

Anúncios

Tática do Hack-a-Shaq

Falando de basquete, o @FRSormani abomina a tática suja e desleal do Hack-a-Shaq. Eu também abomino.

Para quem não sabe, o Hack-a-Shaq é uma tática de fazer faltas no jogador do time adversário que tem pior aproveitamento nos lances livres.

Essa tática ficou famosa sendo utilizada em cima do ex-jogador Shaquille O’Neal. Obviamente, O’Neal era horrível nos lançamentos dos lances livres. O’Neal era um jogador de mobilidade baixa, alto pra caramba, forte (leia-se pesado) e que seu jogo se baseava em enterradas.

Com esta abominável tática, muitos times já ganharam jogos, pois não deixam o oponente arremessar da quadra com jogadores de percentual alto de acerto, seja dentro do garrafão, seja detrás da linha dos 3 pontos.

Wilt Chamberlain foi responsável pela criação de duas regras no basquete. A primeira é o goaltending, que ocorre quando um jogador de defesa bloqueia a bola na descendente, normalmente com um tapa. A segunda regra foi o banimento do salto  no arremesso livre, já que Chamberlain pulava da linha e enterrava. Com estas duas regras, o jogo evoluiu.

Já na questão do Hack-a-Shaq, não leio sobre uma intenção de alteração nesta regra. Minha sugestão é denominar um atleta do time antes da partida começar para que ele seja o único arremessador de lances livres durante a partida. Isso faria com que menos faltas fossem produzidas no jogo. E com as faltas ocorrendo, sendo o melhor arremessador indo para o lance livre, o time faltoso acabaria tomando mais pontos, e os placares seriam mais dilatados. Ou então que fosse semelhante ao pênalti no futebol, com um jogador aleatório cobrando o pênalti. Obviamente, o técnico ia denominar ali no calor do jogo qual o jogador do seu time irá cobrar os lances livres e ele escolheria os de melhor qualidade.