Megatime do interior poderia esquentar o campeonato paulista

Atualmente no Brasil, muitos jogadores consagrados nacionalmente e internacionalmente estão jogando no país.

Inclusive jogadores que foram campeões mundiais!

Este time poderia ser o seu hoje!

Continuar lendo

Anúncios

Corinthians e a polêmica invasão da torcida

O assunto ainda está rendendo nos portais de notícias e acho que vale pontuar algumas questões que li a respeito em conjunto com algumas reflexões.

A primeira: Os jogadores do Corinthians tem o direito de ir cobrar a Gaviões da Fiel se a escola de samba não for campeã esse ano da mesma forma com que eles foram cobrados. Direitos iguais devem ser respeitados. Seria uma afronta para a Gaviões ou uma cobrança justa?

A segunda: O presidente Gobbi deveria seguir a mesma linha de raciocínio do presidente palmeirense Paulo Nobre, exterminando a bolsa-auxílio para que estes “torcedores” frequentem o estádio. Que paguem do bolso como todo torcedor corinthiano “de bem”. A verdadeira torcida corinthiana mostrou seu poder aquisitivo ao colocar 20 mil torcedores no Japão. É uma torcida endinheirada, querendo consumir um produto de qualidade. Eliminando as organizadas das arquibancadas, abrirá um espaço para que o torcedor com dinheiro no bolso vá até a Arena Corinthians torcer pelo seu time em paz.

A terceira: Política de identificação de torcedores nos estádios deve ser mais intensa. A tecnologia está aí para ser usada em prol do torcedor “de bem”, não do vândalo.

A quarta: Leis mais rígidas. Apenas dessa forma, a alegria de uma família voltar a frequentar um estádio de futebol voltará, pois o pai de família terá certeza que o torcedor vândalo não estará mais nas redondezas do estádio, e nem dentro dele, e sim, na cadeia, como é na Inglaterra.

A quinta: Calendário mais racional. Sim, o calendário bizonho influencia no ritmo do time em campo e a sua performance é abaixo da crítica. As derrotas geram a ira e deflagram essas atitudes animalescas de torcedores vândalos. Um calendário mais inteligente traria mais tempo para os times se prepararem e resultados ruins seriam mais difíceis de acontecer.

A sexta questão: Salário por produtividade. Está dando certo esta fórmula no Palmeiras e deveria ser aplicada no Corinthians. O time está apático em campo. Os palmeirenses estão comendo grama para honrar seus salários. Os corinthianos reclamam que no fim do mês o dinheiro da Caixa não cai em suas contas.

Concordam? Discordam? Gostaria de pontuar algum outro aspecto? Comente na caixinha.

Corinthians x Santos e o Campeonato Paulista

Enfim o primeiro clássico do Campeonato Paulista 2014. Corinthians e Santos jogam hoje a noite e é o jogo da TV. 

Bem longe do glamour dos áureos tempos do Campeonato Paulista, todo clássico merece atenção, seja ele um jogo entre times do mesmo estado ou um clássico interestadual, como os que ocorre na Copa do Brasil e no Campeonato Brasileiro. 

Apesar de muitos jornalistas dizerem que o campeonato está no começo, e que os principais times vão evoluir, ao findar a quarta rodada, já teremos mais de 26% do campeonato ocorrido. É para esse número que os principais jornalistas não olham, e que é muito relevante. 

Seu equivalente no Campeonato Brasileiro ocorre com 9 rodadas e 27 pontos disputados. No Paulista, com 4 rodadas e 12 pontos disputados. 

O regulamento desse ano do Paulista nos relembra que teremos apenas os jogos de ida na fase de classificação. E foi montado para preservar os clássicos. No entanto, mais uma vez, não foi levado em consideração o estado físico e técnico ruim que os times se encontram neste momento. 

Para o jogo entre Corinthians e Santos ter o verdadeiro sabor da disputa, atrair multidões e ter uma cobertura mais apaixonada e emocionante por parte da mídia, o calendário de jogos deveria ter proposto os clássicos nas últimas três rodadas. Assim, os times teriam tido mais tempo para se prepararem para esses jogos de maior importância. 

Nem este aspecto a Federação Paulista pensou. E já havia benchmark, realizado no Campeonato Brasileiro, com um clássico regional fechando o campeonato. 

Finalizando o texto, palpito que o placar final será de 1×1. E o IBOPE não será essas coisas. 

Eusébio x Cristiano Ronaldo

O blog do jornalista Fábio Sormani, que hoje trabalha na Fox Sports, fez um post sobre o ex-jogador Eusébio, atleta que competiu pela seleção de Portugal e que faleceu nesta madrugada.

Postei o seguinte comentário no blog e reproduzo aqui.

“Sormani. Comparar épocas é sempre muito difícil. C. Ronaldo joga hoje contra os melhores jogadores do planeta, coisa que na época de Eusébio, a Europa não tinha os melhores jogadores, afinal, existia o Santos de Pelé, o Palmeiras de Ademir da Guia e o Botafogo de Garrincha, fora outros craques da época que não desfilavam seu jogo no Velho Continente.
A média de gols pode ser impressionante, assim como é a de Pelé, mas a evolução do esporte trouxe defesas melhores também, além de tudo o que você mencionou. C. Ronaldo classificou Portugal novamente para a Copa. O que posso afirmar é que se C. Ronaldo jogasse na época do Eusébio, Portugal teria sido campeão em 66, mas se Eusébio jogasse hoje, Portugal não seria campeão do mundo. Respeito o que escreveu e fecho com o seguinte raciocínio, defendido por ti: MJ foi o maior de todos, mas a carreira de LeBron James ainda não acabou. Abraço!”

Acho que o selecionado português hoje depende muito do jogo de Cristiano para conquistar vitórias. E numa copa, tiro curto e 4 jogos eliminatórios, basta um dia ruim de C. Ronaldo que Portugal atravessará o Atlântico de volta para casa.

Renda dos clubes pode aumentar com o time visitante

No Brasil, nos dias de hoje, temos uma cultura no futebol onde o time mandante tem 95% dos ingressos dos jogos no seu estádio para comercializar para seus torcedores. E apenas 5% para os torcedores visitantes.

Segundo o Blog do Sormani, no post de ontem, onde ele escreve sobre o Lakers jogando em Nova Iorque contra o Nets, percebi que os times com menos torcida perdem uma grande oportunidade de rentabilizar sua bilheteria quando um time grande vem jogar nos seus domínios.

E essa oportunidade de rentabilizar de uma forma maximizada é rara.

Vamos aos pontos.
Continuar lendo

Regra do penalti

Estudos estatísticos indicam que numa decisão por pênaltis  onde temos a cobrança de 5 penalidades para cada time e depois partimos para os pênaltis alternados e eliminatórios, vemos que os times que começam cobrando a penalidade tem vantagem.

E essa vantagem não é pouca. O percentual de vitória é de 60% para quem começa batendo contra 40% para quem começa defendendo a sequência dos pênaltis.

Dessa forma, os técnicos tem que instruir seus jogadores para que escolham sempre bater primeiro as penalidades quando ganharem no cara e coroa.

Mas para tentar diminuir esta discrepância, propomos a seguinte regra.

Continuar lendo

Campeonatos Estaduais não são atrativos ao público

Extraímos de outro blog os dados abaixo sobre a rodada dos campeonatos atuais rolando pelo Brasil.

Casa… Novidade no calendário da CBF, a Copa no Nordeste foi o campeonato regional com maior média de público na 1ª rodada: 7.389 pagantes –o Paulista teve 6.214, e o Estadual do Rio, 2.575. Além disso, o jogo entre Santa Cruz e CRB, pelo torneio nordestino, teve o maior público do final de semana: 24.287.

…cheia. A expectativa é que a média aumente no próximo fim de semana por causa da rodada dupla de inauguração do Castelão, com Fortaleza x Sport e Ceará x Bahia. A organização da competição espera que o estádio lote –a capacidade da arena é de 60 mil

Não entendo os reais motivos desses campeonatos continuarem acontecendo. Estamos construindo estádios para a Copa com 45, 60 mil lugares, e o público fica beirando 10, 20% de ocupação. Sim, são estádios vazios. Aí vão falar: “Mas Santa Cruz e CRB bombou!” Sim, teve apenas bom público, mas o quanto esse jogo rendeu para os cofres do Santa Cruz? Eles vão conseguir montar um time para ir para a Série B em 2014? Será que o ingresso custou R$ 40 para o público assistir da arquibancada?

O calendário deve ser completamente remodelado. Os clubes brasileiros tem que realizar suas viagens ao redor do mundo para divulgar sua marca. Temos que ter jogos de times de alto nível. Não dá para ter 4 meses de futebol sendo jogados no lixo.

A desgraça da Portuguesa

É dificil torcer para um time de tradição que não é vencedor e ano após ano, não consegue dar o salto de qualidade que o tornaria maior.

Estou falando da Portuguesa.

Time clássico da cidade de São Paulo, a equipe do Canindé enfrenta um grande desafio nestes próximos 4 meses. O motivo? A Lusa jogará a Série A-2 do Campeonato Paulista.

Se a série A-1 do Paulistão já não tem grande nível técnico, com rendas e público baixos na maioria dos jogos, a A-2 é pior. A Portuguesa terá uma ajuda de custo da FPF de aproximadamente 190 mil reais para o campeonato todo. Para deixar a situação mais grave, a Lusa não jogará nenhum clássico até o início do Campeonato Brasileiro, jogos esses que trazem mais público pra o Canindé. E o buraco fica grande mesmo quando o principal patrocinador do clube pede para que o contrato seja cancelado. Para finalizar, a Série A-2 não tem jogos transmitidos pela TV.

Tudo isso impacta na construção de um elenco melhor do que o de 2012, que escapou por pouco do rebaixamento do Brasileirão. E é terrível para quem joga hoje no time, pois os salários poderão sofrer atrasos e desestabilizar o elenco.

Vamos torcer para Lusa não se tornar o Juventus ou o Nacional e viver apenas de torcedores da colônia portuguesa no seu futuro.

Flamengo, imensa incompetência

Acabei de ler em um portal a respeito da saída repentina do jogador Vagner Love do Flamengo. O motivo? O time brasileiro tinha  que quitar uma divida de 6 milhões de Euros com o CSKA da Rússia, e não o fez.

Como o Flamengo beira a incompetência administrativa total, o time carioca não tinha o dinheiro em caixa para realizar o pagamento. Assim, o CSKA pediu o retorno do jogador.

Love já foi diversas vezes convocado para a seleção canarinho ao longo da sua carreira. Além disso, teve ótima passagem pelo Palmeiras anteriormente ao Fla.

Ainda assim, mesmo sendo um dos principais jogadores do time, o Flamengo não priorizou a manutenção do jogador em seu elenco. Com muitas dívidas e com um novo presidente no cargo, o ano de 2013 da equipe rubro-negra pode ser um fiasco.