Campeonatos Estaduais não são atrativos ao público

Extraímos de outro blog os dados abaixo sobre a rodada dos campeonatos atuais rolando pelo Brasil.

Casa… Novidade no calendário da CBF, a Copa no Nordeste foi o campeonato regional com maior média de público na 1ª rodada: 7.389 pagantes –o Paulista teve 6.214, e o Estadual do Rio, 2.575. Além disso, o jogo entre Santa Cruz e CRB, pelo torneio nordestino, teve o maior público do final de semana: 24.287.

…cheia. A expectativa é que a média aumente no próximo fim de semana por causa da rodada dupla de inauguração do Castelão, com Fortaleza x Sport e Ceará x Bahia. A organização da competição espera que o estádio lote –a capacidade da arena é de 60 mil

Não entendo os reais motivos desses campeonatos continuarem acontecendo. Estamos construindo estádios para a Copa com 45, 60 mil lugares, e o público fica beirando 10, 20% de ocupação. Sim, são estádios vazios. Aí vão falar: “Mas Santa Cruz e CRB bombou!” Sim, teve apenas bom público, mas o quanto esse jogo rendeu para os cofres do Santa Cruz? Eles vão conseguir montar um time para ir para a Série B em 2014? Será que o ingresso custou R$ 40 para o público assistir da arquibancada?

O calendário deve ser completamente remodelado. Os clubes brasileiros tem que realizar suas viagens ao redor do mundo para divulgar sua marca. Temos que ter jogos de times de alto nível. Não dá para ter 4 meses de futebol sendo jogados no lixo.

Anúncios

Post #28 – Como um time é rebaixado – Episódio 1

O que é o Como um time é rebaixado – Episódio 1?

Esta é uma saga chamada “Como um time é rebaixado”, que vou contar aqui no Sinapses durante o Campeonato Brasileiro quando houver algum resultado bizonho para um time e que lá na frente estes pontos perdidos serão contabilizados na matemática final para simular uma tabela de resultados que deveriam ter acontecido e por algum motivo bizarro, não aconteceu. Estes resultados, no acúmulo do campeonato, poderão decretar o rebaixamento de um time, ou serem aqueles pontos que o time perdeu de bobeira que culminaram no rebaixamento do time, ou então aqueles pontos suficientes para um time deixar de atingir um objetivo maior no campeonato, como classificação na Libertadores ou mesmo o título Brasileiro. Neste primeiro episódio, o alvo foi a Portuguesa, onde, ganhando uma partida pelo placar de 5 x 2, deixou o oponente empatar. Assim, podemos contar -2 pra Portuguesa e +1 para o time do Figueirense. Ainda mais pelo fato do jogo ser em São Paulo.

Matéria editada por Robson Fernandes e retirada do UOL Esporte.

Na volta à elite, Portuguesa vacila em fica no empate com o Figueirense

Em seu retorno à elite do futebol Nacional e em uma partida recheada de gols, a Portuguesa, que vencia o jogo até poucos minutos do fim da partida, acabou empatando em 5 a 5 com o Figueirense, na noite deste domingo, no Canindé.

<!–TR id=tr_img_1&gt;&lt;/TR–>

José Carlos Moreira/AE
Muito marcado, Dentinho teve menos chances diante do Rio Preto

Jogando parte da segunda etapa com um atleta a menos -Patrício foi expulso-, o time do técnico Vager Benazzi chegou a ficar três gols à frente do atual campeão catarinense. No entanto, nos minutos finais da partida, a equipe paulista passou a ser muito pressionada e cedeu o empate ao adversário.

A Portuguesa ainda aumentou para 5 a 2 com Christian, recentemente sondado pelo Corinthians, em bela jogada pelo lado esquerdo.

O zagueiro Felipe Santana, de cabeça, diminuiu o placar para os catarinense: 5 a 3. Mas quando a Portuguesa parecia apenas administrar a partida, a expulsão de Patrício mudou a história do confronto.

Com um homem a menos em campo, o time paulistano ficou vulnerável às investidas do Figueirense, que foi buscar a igualdade no marcador.

Primeiro Bruno Santana diminuiu a diferença para um gol, para em seguida Felipe Santana, artilheiro da noite, fazer seu segundo tento na partida e decretar o 5 a 5 no placar do Canindé, nos minutos finais do confronto.

PORTUGUESA 5X5 FIGUEIRENSE

PORTUGUESA
André Luís; Patrício, Bruno Rodrigo, Marco Aurélio e Bruno Recife; Erick, Carlos Alberto, Preto (Dias) e Edno, Diogo (Rogério) e Christian (Vaguinho)
Técnico: Vagner Benazzi

FIGUEIRENSE
Wilson; César Prates, Felipe Santana, Asprilla e Élton (Magal); Leandro (Bruno Santos), Diogo, Cleiton Xavier e Rodrigo Fabri; Marquinhos Júnior (Edu Salles) e Wellington Amorim
Técnico: Alexandre Gallo

Local: estádio do Canindé, em São Paulo
Data: 11/05/2008, domingo
Árbitro: Emerson Luiz Sobral (PE)
Auxiliares: Elan Vieira de Souza e Luciano José Coelho Cruz (ambos de PE)
Cartões amarelos:Preto (P), Erick (P), César Prates (F), Felipe Santana (F), Bruno Recife (P), Asprilla (F)
Cartão vermelho:Patrício (P)
Gols:Marco Aurélio, aos 4min, Rodrigo Fabri, aos 37min, Patrício, aos 44min do primeiro tempo. César Prates, aos 6min, Bruno Rodrigo, aos 11min, Diogo, aos 13min, Christian, aos 15min, Felipe Santana, aos 25min, Bruno Santos, aos 44min e Felipe Santana aos 47min do segundo tempo.

Comentário: Retirei do site UOL a matéria que foi publicada agora pouco lá. Acompanhei este jogo pelo UOL Esporte e quando li 5 x 2 Portuguesa, decretrei mentalmente a vitória do time paulista. Pior de tudo é que o UOL tem um simulador da tabela em tempo real e eu lia ali que o time do Canindé, após seu quinto gol, era o líder do campeonato, pois possuía 3 gols de saldo e fazia seu quinto gol naquele momento. O Flamengo ganhava de 2 a 0 e não havia nenhum resultado elástico também. Acho que a última vez que a Portuguesa liderou um campeonato brasileiro da primeira divisão foi em 1996 e olhe lá. Este time, que era considerado o segundo time do paulistano, antes da onda São Caetano, ficou 5 anos na segunda divisão do campeonato brasileiro. Mas a Portuguesa deixou a chance de liderar escapar e está na décima posição.

Post #25 – Fase de transição

Final dos campeonatos estaduais, com vitórias de Palmeiras em São Paulo, Flamengo no Rio, Inter no Rio Grande do Sul, Cruzeiro em Minas Gerais, Coritiba no Paraná, além do título Troféu do Interior, que foi parar nas mãos do Grêmio Barueri e outros campeonatos estaduais se definindo.

Mas o melhor do futebol nacional está para começar na semana que vem. O Campeonato Brasileiro vem aí já recheado de clássicos na primeira rodada e o grande mistério a ser revelado terá início: O Corinthians vai subir para a Série A?

Aponto como favoritos ao título da Série A os campeões acima mais o Fluminense e o Santos, embora o Peixe num segundo patamar. Acho que o primeiro terço do campeonato pode definir lá na frente os times que serão rebaixados, ou aqueles que não tem muita chance, de conseguirem uma posição de destaque. Afinal, os 5 times brasileiros que iniciaram a Libertadores seguem jogando o torneio sul-americano, prioridade de TODOS até o final do torneio. A bolada é grande e o prestígio do título Sul-Americano é enorme. Além de tudo isso, tem a vaga no Mundial no final do ano. E outra bolada esperando neste campeonato, mesmo só participando.

Traço o seguinte prognóstico. Conforme os times forem sendo eliminados, suas forças vão se voltar para a disputa do Brasileirão. Pontos serão perdidos neste primeiro terço de campeonato para os participantes da Libertadores. Momento otimo para Atlético-MG, Grêmio, Internacional e especialmente o Palmeiras, já eliminado da Copa do Brasil, abrirem uma vantagem. Além disso, os times entrarão em uma outra fase depois do final da janela de transferência para a Europa, com muitos jogadores indo embora certamente. Não é a toa que Luxemburgo já pediu 5 reforços.

Da metade do ano para frente, os seguinte times jogam a Copa Sulamericana:

São Paulo, Grêmio, Palmeiras, Atlético Mineiro, Botafogo, Vasco, Internacional e Atlético Paranaense.

Lembrando é claro que a Copa Sulamericana já começa com mata-mata de 2 jogos, sendo que uma eliminação precoce em 2 jogos é possível, já que os times brasileiros jogam entre sí.

O raciocínio para quem permanecer na Libertadores até o final também pode ser levado em consideração para quem for avançando na Copa Sulamericana, ou seja, os times que estiverem jogando os dois torneios simultaneamente podem perder pontos preciosos no Campeonato Brasileiro.

Já o Corinthians começa a sua escalada para o retorno de onde jamais deveria ter saído, ou seja, a Série A, com um time competitivo para a Série B. Trazendo mais 4 reforços se torna um dos favoritos ao título. Considero o campeonato da Série B um campeonato duro, com jogos em estádios cheios no Nordeste, gramado ruim muitas vezes, diversos times paulistas que fizeram um bom paulistão e outros times conhecidos de outras localidades com tradição. Além disso, o campeonato tem viagens degastantes e o jogo jogado é diferente da série A, muito mais pegado e muito mais veloz. Subir traz mudanças significativas para os times médios brasileiros. Será um páreo duro para o Corinthians.

Enfim, este é um pequeno panorama do que virá pela frente no futebol nacional. Compre seu ingresso, vá ao estádio apoiar seu time, torça com vontade, mas sempre sem violência.